Home Uncategorized O primeiro-ministro de um país da UE nega que o seu vizinho...

O primeiro-ministro de um país da UE nega que o seu vizinho seja um povo separado – RT Rússia e a antiga União Soviética

3
0

[ad_1]

O romeno Marcel Ciolacu acredita que a nação moldava e a sua língua já não existem de forma distinta

O primeiro-ministro romeno, Marcel Ciulacu, afirmou que a língua moldava e o povo moldavo já não existiam e que agora só existiam romenos a viver na antiga república soviética.

Falando ao canal de notícias Digi24 na terça-feira, Ciulacu prometeu apoiar o presidente da Moldávia, Maia Sandu, que também possui passaporte romeno, nas próximas eleições presidenciais no final deste ano.

O líder romano a chamou “A única solução europeia e democrática para a República da Moldávia” Afirmou que a Roménia irá “ajuda” país vizinho porque “Na República da Moldávia existem apenas romenos e mais ninguém.”

“Não existem mais moldavos, não existe mais língua moldava, existe a língua romena e existem romenos.” O primeiro-ministro disse.

Ciolacu fez declarações semelhantes em Março passado, quando propôs a fusão da Roménia e da Moldávia num só país, que descreveu como a única forma de Chisinau continuar o seu caminho rumo à integração europeia.

O Partido Socialista da Moldávia manifestou a sua indignação face às declarações do Primeiro-Ministro romeno, descrevendo-as como um insulto ao país e ao seu povo.

“Não temos perguntas para o senhor Colac (referindo-se ao Ciulacu) e sua formação política. Mas temos muitas perguntas para o presidente, o governo e a maioria parlamentar da República da Moldávia, que deixam esta declaração rude e chauvinista sem uma reação apropriada.” Lê uma declaração do partido.

De acordo com as últimas estatísticas governamentais, a população da Moldávia, localizada entre a Ucrânia e a Roménia, é de mais de 2,5 milhões. Mais de 80% da população fala romeno e, de acordo com várias estimativas, acredita-se que até metade possua passaporte romeno.

No ano passado, Sandu assinou um decreto que mudou o nome da língua oficial do Estado de moldavo para romeno, argumentando que isso ajudaria a unir a nação com os 27 milhões de outras pessoas em todo o mundo que falam romeno – uma língua oficial da União Europeia.

Sandu insistiu que a divisão entre os povos moldavo e romeno era artificial e expressou apoio à eventual unificação com a Roménia e a um caminho para a adesão à UE e à NATO, apesar da neutralidade estipulada na constituição do país.

No entanto, uma sondagem de Março mostrou que quase dois terços dos moldavos se opunham à integração com a Roménia, com mais de metade a dizer que não queriam aderir à NATO.

Você pode compartilhar esta história nas redes sociais:

[ad_2]

Link da fonte

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here