Home Uncategorized Romper com a China pode ser “impossível” – Pesquisa – RT Business...

Romper com a China pode ser “impossível” – Pesquisa – RT Business News

3
0

[ad_1]

O país asiático continua a ser um “fornecedor importante” globalmente, segundo o relatório da Allianz Trade

Seria uma ruptura económica completa com a China “Difícil, senão impossível” Um novo relatório divulgado pela seguradora internacional Allianz Trade indicou que a potência asiática ainda é um ponto forte “Recurso importante” Para grande parte do mundo.

O inquérito Allianz Trade entrevistou mais de 3.000 empresas na China, França, Alemanha, Itália, Polónia, Espanha, Reino Unido e Estados Unidos sobre as suas expectativas para o comércio global em 2024.

A gravidade da dependência das importações provenientes da China varia, estando os Estados Unidos, o Reino Unido e a França entre os países mais expostos. Ela disse que aproximadamente 50% das importações dos EUA da China são consideradas dependências críticas.

“Ainda não há evidências de uma ruptura completa com a China.” O relatório afirmou que mais de um terço dos participantes planeiam aumentar a sua presença na China.

Apesar de se falar em separação e diversificação fora da China, “Pode haver um limite para o quanto isso pode acontecer.” Allianz disse, acrescentando que os países europeus continuam optimistas quanto às suas perspectivas lá.

Segundo a pesquisa, cerca de 39% das empresas na Alemanha e em Espanha, e mais de 30% em França, esperam aumentar a sua presença na China. Isto se compara a 27% nos EUA que planejam fazer o mesmo.

É evidente que as empresas europeias estão menos preocupadas do que as empresas americanas. O relatório dizia.

A Allianz disse que a tendência de diversificação em vez de cisão parece mais clara, com um quarto das empresas alemãs, francesas e americanas esperando estabelecer a sua presença na China. “Uma parcela menor de seu investimento no fornecimento global futuro.”

As autoridades dos Estados Unidos e da União Europeia estão a lutar para chegar a uma estratégia unificada em relação à China, enquanto tentam reduzir a dependência comercial de Pequim, que acusaram repetidamente de coerção económica.

Entretanto, o governo chinês alegou que Washington e os seus aliados usaram as regulamentações comerciais como arma para promover políticas anti-China e acusou-os de “Bullying econômico”.

Mas as autoridades ocidentais mudaram recentemente da retórica da “dissociação” para a retórica da “redução de riscos e diversificação”. Esta abordagem reflectiu-se na declaração conjunta adoptada pelo G7 durante a sua cimeira no Japão em Maio, que acusou Pequim de tentar… “Distorção da economia global.”

Pequim rejeitou estas acusações, dizendo que o Ocidente estava preso num dilema “Mentalidade da Guerra Fria.”

Você pode compartilhar esta história nas redes sociais:

[ad_2]

Link da fonte

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here